Postagem em destaque

saiba

VE

CONSIGNADO SERVIDORES PÚBLICOS PREFEITURA DE SÃO PAULO HSBC


CONSIGNADO SERVIDORES PÚBLICOS PREFEITURA DE SÃO PAULO  HSBC 

Consignado Servidores Públicos Prefeitura de São Paulo   HSBC 

  • Quitação do contrato   HSBC  Parcelamento em até 58 meses Prefeitura de São Paulo*

Compra de Dívida  Banco  HSBC 

  • Quitação do contrato do empréstimo consignado   HSBC 
CRÉDITO PMSP LIGUE EMPRESTIMO Ligue Agora!-11-3536-3414- 
APOIO EMPRESTIMO - 2ª à 6ª feira,das 10h:00 às 19h:00
APOIO EMPRESTIMO
APOIO CELULAR 
APOIO CELULAR
DDD-119-6329-6111-CLARO9-6793-2270-OI9-9844-6672-VIVO9-4808-1623-TIM
Solicite uma visita ou atendimento personalizado através do nosso PMSP -EMPRESTIMO formulário.



Depois do lucro recorde de R$ 526,5 milhões em 2004, banco aposta em acordos para crescer. Na disputa cada vez mais acirrada pelo mercado de crédito ao consumo, o grupo HSBC dá mais um passo que promete mexer com os ânimos de seus concorrentes. O banco inglês fechou parceria no final de fevereiro com a rede de varejo Ponto Frio, que já mantém sociedade com o Unibanco na financeira PontoCred. Está ainda ampliando os acordos com os bancos Schahin e Matone. Essa movimentação é resultado da estratégia adotada pelo HSBC - desde a aquisição da financeira Losango no final de 2003 - para crescer no varejo e que sustentou o aumento de quase três vezes do lucro do grupo no País, de R$ 192,6 milhões para um R$ 526,52 milhões no ano passado.

O presidente-executivo do HSBC Bank Brasil, Emilson Alonso, explicou que o acordo com o Ponto Frio prevê a utilização da rede varejista como um canal de distribuição para a oferta de crédito consignado ao aposentado - o dinheiro pode ser sacado ou usado para a aquisição de bens na loja. A operação conta com a estrutura do Banco Schahin, que já é parceiro do HSBC na carteira de empréstimo com desconto em folha a pensionistas do INSS. Esse acordo prevê a liberação de R$ 50 milhões mensais por um período de cinco anos.

Com o Banco Matone, o contrato deve ser fechado nos próximos dias. O acordo - também na modalidade de crédito consignado - é de R$ 25 milhões por mês, num total de R$ 1,5 bilhão. Segundo Alonso, em todas essas operações o HSBC entra como parceiro, ou seja, participa dos riscos e lucros do negócio. "Não oferecemos apenas o funding para a operação. Temos interesse na pessoa física, já que somos um banco de varejo", afirmou o executivo. Em fevereiro, considerando o acordo com o Schahin, o HSBC desembolsou R$ 80 milhões em créditos consignados para funcionários do setor público, privado e a pensionistas. "Queremos atingir um saldo de R$ 1 bilhão até o final do ano."

O financiamento ao consumo, de modo geral, deve contribuir para a expansão de 20% nas operações de crédito do HSBC estimado para este ano - o banco leva em conta um crescimento de cerca de 4% para o Produto Interno Bruto (PIB). No final de 2004, o saldo da carteira de crédito do HSBC era de R$ 15,243 bilhões, um aumento de 25,7%. "A economia cresceu e nos beneficiou", afirmou Alonso.

Do total da carteira, o segmento de pessoa física cresceu 17%, para um total de R$ 5,940 bilhões, e a área de financiamento ao consumo (em que se enquadra a financeira Losango) registrou aumento de 40%, para R$ 3,146 bilhões. Segundo o executivo, a Losango manteve esse crescimento nos dois primeiros meses deste ano. A carteira de pequenas e médias empresas, outro foco do HSBC, teve alta de 56% (R$ 3,835 bilhões) em 2004. O crédito para grandes empresas ficou praticamente estável (mais 0,5%, para R$ 3,238 bilhões), por conta do recuo do dólar no ano passado que reduziu os empréstimos em moeda estrangeira.

A inadimplência total caiu de 8,59% para 7,47% no ano passado. A expectativa de Alonso para 2005 é reduzir o índice para 7%, na onda do crescimento do níveis de emprego e renda, e ainda dos créditos consignados, já que são de melhor qualidade.

A receita com intermediações financeiras cresceu 32,7% em 2004, para R$ 7,197 bilhões. Só o resultado com títulos e valores mobiliários aumentou 61%. Segundo Alonso, os ganhos com tesouraria também foram parte importante para o lucro recorde registrado pelo grupo no País.

Outro destaque da atuação do HSBC no ano passado foi a melhora do rentabilidade sobre o patrimônio líquido, de 11,6% para 21,5%. Excluindo os efeitos da amortização das aquisições da financeira Valeu e de parte da carteira do Banco Matone, o retorno ficou em 24,07%. "Conseguimos trazer nossa rentabilidade aos níveis de mercado", afirmou Alonso. Segundo ele, escala e crescimento deixaram de ser problema.

HSBC reforça atuação no crédito
Gazeta Mercantil - 10/03/2005

Alessandra Bellotto

: