Postagem em destaque

saiba

VE

3536-3414- BicBanco Empréstimo P.M.S.P-Empresas


11-3536-3414- BicBanco Empréstimo Consignado P.M.S.P
 no Holerite do Servidor Prefeitura de São Paulo,
Guarda Civil Metropolitana de São Paulo -G.C.M.SP,
Instituto de Previdência Municipal - Prefeitura de São Paulo- IPREM, 
Serviço Funerário do Munício de São Paulo-S.F.M.SP, Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo-H.S.P.M.SP
CRÉDITO PMSP LIGUE EMPRESTIMO LIGUE-11-3536-3414- 
SOLICITE + INFORMAÇÃO
 APOIO EMPRESTIMO - 2ª à 6ª feira,das 10h:00 às 19h:00



Empresas vão captar US$ 1 bilhão




Faltam menos de quinze dias para férias de verão no Hemisfério Norte, quando o mercado financeiro internacional fica praticamente parado, e as empresas brasileiras ainda não deram trégua. Mais de US$ 1 bilhão em emissões entraram no forno nesta semana, e espera-se que tudo seja vendido até o fim de julho. Aracruz, Banespa, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Ipiranga e Vale do Rio Doce são os nomes que estão movimentando todos estes dólares, e tornando acirrada a disputa entre os bancos para liderar estas operações.

Ontem, o JP Morgan foi escolhido pela CSN para fazer uma operação de US$ 200 milhões em bônus "plain vanilla", aqueles sem garantias além do nome da própria empresa, com vencimento em cinco anos. É a sexta operação da empresa neste ano no mercado externo e ao vender os novos bônus já terá angariado dos investidores internacionais US$ 760 milhões.

Os números da CSN colaboram na respeitável cifra de US$ 11,5 bilhões captados pelos brasileiros este ano por meio de emissão de bônus e títulos securitizados (em que são dadas garantias de exportações). Número que chegará a US$ 12,449 bilhões quando as novas operações se concretizarem. Deste total, US$ 2,25 bilhões foram captados pelo Tesouro Nacional, outros US$ 1,7 bilhão correspondem a emissão de títulos securitizados (incluindo operações em andamento) e o restante, US$ 8,5 bilhões, em bônus privados, sem garantias, de bancos e empresas.

Dentre os novos títulos, apenas a da Aracruz será uma securitização. O diretor financeiro da empresa, Isac Zagury, disse ontem à Bloomberg News, que pretende vender US$ 400 milhões destes títulos com vencimento entre sete e oito anos e que o preço será formado na próxima semana, assim que o "road-show" com investidores for finalizado.

Também ontem era forte a notícia entre os bancos de que o Bear Stearns teria sido contratado para vender US$ 120 milhões em bônus da Ipiranga com vencimento em cinco anos e opção de resgate antecipado em dois anos. Mas a empresa informou por meio de sua assessoria de imprensa o seguinte: "existe por parte da empresa um interesse nesse sentido, embora nada ainda esteja acertado". E mesmo o banco não confirma a operação, mas outros bancos que também mandaram propostas já dão como certa a contratação do Bear Stearns. Será a primeira emissão no mercado externo da empresa desde 1994 e a expectativa é de que até o fim da semana que vem esteja tudo concretizado.

Também é aguardada a venda de US$ 300 milhões em bônus da Vale do Rio Doce com vencimento que pode chegar a 10 anos. E o fechamento de operações começa cedo na semana que vem. Já na segunda-feira, o banco Santander Banespa vai encerrar a venda de pelo menos US$ 50 milhões, sob a liderança do UBS Warburg. Os títulos têm vencimento em dois anos a juros entre 5,125% e 5,375% ao ano.

E nesta semana também foram fechados negócios. O Itaú que havia vendido US$ 200 milhões em títulos securitizados ontem, mesmo dia em que o Itaú Europa captou € 150 milhões, vendeu hoje mais US$ 100 milhões em bônus em nome do Itaú BBA. Com vencimento em 24 meses, os títulos ficaram com cupom de 4,5% ao ano e retorno para o investidor de 4,8% ao ano. A operação será liquidada no dia 28 de julho e foi liderada pelo banco Standard Bank. O Itaú informou que os recursos serão usados para a concessão de crédito aos clientes.

Mas nem só de grandes volumes vivem as emissões internacionais. Ontem, o BicBanco conseguiu obter US$ 10 milhões por um ano a juros de 6,5% ao ano e cupom de 6%. O diretor da divisão internacional do banco, Paulo Celso Del Ciampo, conta que neste ano o Bic fez um programa que permite a captação de até US$ 100 milhões no exterior. "A idéia é de a cada dois meses lançar uma tranche de US$ 10 milhões, dependendo, claro, das condições de mercado".
Colaborou Claudio R. Gomes Conceição, do Rio

Gazeta Mercantil - 18/07/2003
Aracruz, Banespa, CSN, Ipiranga e Vale vão elevar o total captado pelo Brasil a US$ 12,5 bi
Josette Goulart
3 É O NUMERO DE CONTRATOS PERMITIDOS PARA A CONCESSÃO DO CRÉDITO CONSIGNADO PREFEITURA DE SÃO PAULO-PMSP-IPREM
PMSP
IPREM
GCM
HSPM .