quinta-feira, 12 de setembro de 2013

3536-3414 PMSP Recompra de dividas de Consignado ITAÚ



RECOMPRA DE DÍVIDAS DE CONSIGNADO ITAÚ

Precisa de dinheiro e não tem mais margem consignável?  O Banco BGN compra sua dívida, diminuindo o valor de empréstimos antigos que estão sendo descontados hoje no holerite PMSP, com as menores taxa de juros do mercado. 

Com o levantamento de seu saldo devedor junto ao banco , o Banco BGN paga a sua dívida de qualquer instituição e libera o valor restante direto em sua conta corrente. Você pode  diminuir o valor das parcelas que estão sendo descontadas e ainda ficar com dinheiro no bolso, a opção de Venda da Dívida é ótima para você!. Não perca essa oportunidade e venda sua  dívida de consignado PREFEITURA DE SÃO PAULO NO BANCO ITAÚ! 

Solicite uma proposta sem compromisso,entre em contato com 

,evite perder tempo em logas filas nos bancos


 Simule seu crédito consignado por telefone ou procure um de nossos escritórios próximo a sua residência ou trabalho.

O Itaú seguiu o exemplo do Unibanco e decidiu antecipar as principais linhas do resultado do terceiro trimestre. A instituição registrou lucro não auditado de R$ 1,8 bilhão entre julho e setembro, o que representa uma queda de 25,8% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o resultado foi de R$ 2,4 bilhões. Considerando apenas o resultado recorrente -que exclui efeitos extraordinários, como o ganho obtido com a venda da participação na Redecard - o lucro foi 27,5% maior.

No acumulado dos nove meses de 2008, o lucro do banco alcançou R$ 5,9 bilhões (queda de 8,4%). Pelo dado recorrente, o resultado cresceu 12%, para R$ 6 bilhões, com rentabilidade anualizada de 26,8%. "Os números vieram muito fortes diante das condições de mercado e do fato de que o terceiro trimestre costuma ter um desempenho menos expressivo na comparação com os demais", analisa o diretor de controladoria do Itaú, Silvio de Carvalho. O balanço completo do banco está programado para a próxima terça-feira.

Carvalho reconhece que um dos motivos para a antecipação foi o movimento realizado pelos demais bancos. "Se não divulgássemos agora, ficaríamos bem longe dos principais concorrentes", diz. Com o anúncio do resultado, o Itaú também ganha flexibilidade para reiniciar o programa de recompra de ações, o que não podia ocorrer antes da divulgação, observa Carvalho.

O mercado financeiro reagiu bem aos números. No pregão de ontem da bolsa, as ações preferenciais (PN) do Itaú fecharam estáveis, em um dia em que o Ibovespa recuou 6,5%. Chamou a atenção particularmente o resultado da carteira de crédito, que apresentou um crescimento de 44,2% em relação ao mesmo período do ano passado e alcançou R$ 164,5 bilhões. A expansão não só não veio acompanhada do aumento na inadimplência como até houve uma redução nos índices, que caíram de 4,7% em setembro do ano passado para 4% no mês passado. Mesmo assim, o banco elevou em R$ 100 milhões a provisão para devedores duvidosos, para R$ 2,3 bilhões.

O diretor do Itaú avalia que o momento é de cautela, mas diz que o banco segue operando normalmente. "Continuamos com as linhas abertas e concedendo crédito", assegura. O ritmo de expansão nos financiamentos do banco, porém, sofrerá uma redução no ano que vem. Carvalho projeta que a carteira de crédito deve registrar um aumento de 15% em 2009, podendo chegar a 20% se as condições da economia brasileira se mantiverem favoráveis apesar da crise internacional.

Ainda segundo o executivo, o Itaú segue em negociações para compra de carteiras de crédito, na área de empréstimo consignado. Até o momento, a instituição anunciou cinco aquisições, mas não revela o valor. "Devemos apresentar esse número quando divulgarmos o resultado completo do terceiro trimestre", afirma.

O total de depósitos, debêntures e ativos sob administração somou R$ 374 bilhões, o que eqüivale a uma elevação de 20,3% em relação a setembro de 2007. Em uma sinalização de que não enfrenta problemas de liquidez, o banco informou que o saldo total de operações de crédito correspondia a 92,7% dos depósitos líquidos de compulsório, debêntures e repasses.