quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Instituição unifica operação de consignado com BMG

Tem empréstimo consignado PMSP? Ficou sem margem? .agora Você pode fazer portabilidade para banco que pode diminuir parcela e juros, o prazo do contrato atual continua o mesmo basta ter pago 3 parcelas

Instituição unifica operação de consignado com BMG

Enviado em 30/04/2014 11:04:42

O Itaú Unibanco fechou um novo acordo com o banco BMG para o negócio de crédito consignado. Pela transação, o BMG transferirá seus ativos de crédito com desconto direto na folha de pagamento para o Banco Itaú BMG Consignado, "joint venture" criada em julho de 2012.
 
A partir disso, o BMG elevará sua participação no Itaú BMG de 30% para 40%. O Itaú reduzirá sua fatia de 70% para 60%. "A joint venture será o veículo exclusivo do BMG e de seus controladores para a oferta, no território brasileiro, de créditos consignados", informou o Itaú Unibanco.
 
Com o arranjo, o banco diz que passará a ter a liderança no crédito consignado entre os bancos privados. "Essa operação é uma evolução do que já havíamos assinado. Já prevíamos essa evolução e, por conta do sucesso dessa parceria é que demos esse segundo passo", disse o diretor de relações com investidores do Itaú Unibanco, Marcelo Kopel.
 
O BMG, que divulgará seus números na próxima semana, tem uma carteira de crédito consignado própria de cerca de R$ 15 bilhões. Pelo comunicado divulgado por ambos os bancos, é esse saldo que será transferido para o Itaú BMG Consignado.
 
O Itaú BMG Consignado tinha, em março, uma carteira de R$ 12 bilhões. Segundo Kopel, até o fim do ano, terá R$ 20 bilhões, com as compras que fará do BMG. O Itaú Unibanco encerrou o primeiro trimestre com um saldo de consignado de R$ 24,7 bilhões, expansão de 51,6% em 12 meses.
 
A carteira do BMG será transferida para o Itaú BMG por meio de vendas dos ativos sem retenção de risco. "O BMG entende que, com essa unificação, haverá aumento das sinergias gerando uma economia de escala e redução dos custos de captação e operacionais."
 
O banco continuará explorando de forma isolada o cartão de crédito consignado, o financiamento a empresas, financiamento de veículos e com garantia de imóveis.
 
Fonte: Valor Econômico / Carolina Mandl / Fabiana Lopes - 30.04.14