Postagem em destaque

saiba

VE

O que é Cartão de Crédito Consignado Benefício Bmg? ... Para o convênio INSS, você ainda possui o Seguro de Vida gratuito, com coberturas de morte natural e ...

As pessoas também perguntam

Bmg Card ou Cartao de Credito Consignado Beneficio Bmg ... Ambos são consignados e destinados para aposentados, pensionistas do INSS e servidores públicos.
Cartão de Crédito Consignado Benefício Bmg é um cartão para servidores públicos, que oferece benefícios gratuitos ao titular, como o desconto em farmácia ( ...
Para o convênio INSS, você ainda possui o Seguro de Vida gratuito, com coberturas de morte natural e acidental, auxílio ou assistência funeral (não cumulativos) ...
Aposentados, pensionistas do INSS e servidores públicos podem receber seu benefício ou salário no BMG e ter acesso a ... Cartão de crédito internacional.
Bmg Card é um cartão exclusivo para aposentados, pensionistas do INSS e servidores ... São Paulo e Drogaria Pacheco para aproveitar mais esse benefício.

Veja o Título: Febraban propõe simplificação do crédito Autor: Monteiro,Viviane Fonte: Gazeta Mercantil, 17/11/2008, Nacional, p. A5 Brasília, 17 de Novembro de 2008 - A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) apresentará amanhã, ao governo federal, proposta para simplificar o acesso de pequenas e médias empresas às linhas de crédito para investimento do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) e das demais instituições financeiras públicas. As maiores dificuldades para se obter crédito nos bancos públicos ocorrem na hora de apresentar certidões fiscais, tributárias e trabalhistas. Por conta dessas exigências, muitas micro, pequenas e médias empresas não conseguem obter crédito, afirma a entidade. Segundo a Febraban, isso é um impeditivo que reduz o montante de financiamentos para essas empresas. Hoje os créditos do BNDES destinados a esses segmentos representam menos de 10% do total desembolsado pelo banco. Com o objetivo de simplificar esse processo, a Febraban propõe que apenas a apresentação do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) seja suficiente para que os pequenos e médios empresários possam acessar créditos do BNDES e das demais instituições púbicas que têm taxa de juros menor que as demais praticada no mercado. Manter o ritmo Dessa forma, o governo poderia contribuir para que essas empresas mantivessem tanto o ritmo de atividades como os volumes de exportação, podendo minimizar o impacto da crise econômica sobre este setor gerador de emprego na economia. Essa será a principal proposta da Febraban para ampliar o crédito destinado para pequenas e médias empresas, que será apresentada nas reuniões preparatórias do Fórum Permanente do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, amanhã e quarta-feira, segundo o assessor técnico da instituição, Ademiro Vian. O evento será realizado no dia 2 de dezembro, na sede do ministério. O propósito do Fórum, criado em 1999, é gerar discussões entre o setor público e privado para o desenvolvimento econômico, prin-cipalmente, de micro e pequenas empresas. Muitas dessas discussões são aproveitadas pelo governo e transformadas em leis ou em medidas provisórias. Ao defender a simplificação no acesso ao crédito, a Febraban avalia que a medida ampliaria os financiamentos na praça. Ela também afirma que essas exigências não ocorrem nos bancos privados. No entanto, o BNDES contesta essa afirmação da Federação dos Bancos. O BNDES informou, por intermédio da sua assessoria de imprensa, que o pequeno empresário é um dos principais focos do banco e que o crédito a micro e pequenas empresas ( com receita bruta anual de até R$ 10 milhões) atingiu neste ano até outubro R$ 7,7 bilhões. Esse montante representa menos de 10% do total de R$ 70,1 bilhões desembolsados pelo banco de fomento para todos os segmentos para quem concede empréstimos. Apesar do percentual reduzido na soma total, os financiamentos concedidos aos empresários de pequeno porte cresceram 50% em relação a igual período de 2008. Se foram incluídas nessa conta as empresas de porte médio, o valor sobe para R$ 17,8 bilhões (+36,4%) em relação ao mesmo período do ano passado. Já as grandes empresas (com faturamento bruto anual superior a R$ 60 milhões) responderam por R$ 49,8 bilhões da fatia total, ou 40,8% a mais, em igual comparação. (Gazeta Mercantil/Caderno A - Pág. 5)(Viviane Monteiro)

: